Eu cavaleiro errante e louco

Fiz da amada em minha alma o gozo
E lhe chamei de Dulcinéia.


De olhos azeviche e seios conchas livres
E da boca o clã de minha boca...


Ah, quem dera foste barroca
Em comunhão a minha voz rouca e apouca.
Que esperava um dia "cer-v-antes" a tua mão frágil e boba.


Miguel M. Verlaine - mais um em mim

Leave a Reply